Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

InMyDefence

Equilibrio

Dezembro 28, 2018

A epoca do Natal e o fim de ano estao associados a nostalgia, a relembrar memorias, tracar planos e ate criar novos caminhos. Nesta minha senda de tentar descobrir-me mais comecei a relembrar como eram os blogs sapo de ha anos atras. Muitos comecaram blogs para publicarem o que mais gostavam, muitas vezes um namoro quase epistolar comecava e os amores trocavam posts e comentarios deixando as paixao crescer por entre o misticismo das teclas... Na altura a partilha era imensa e intensa, os blogs eram quase salas de estar, cafes em que os participantes tertuliavam no fim do dia, as vezes madrugada adentro. Dias passavam a almejar o comentario do amado/ amada, as vezes escassas linhas, outras vezes verdadeiras odisseias, e outras...nada...

Existiam muitos elogios nos comentarios, as vezes um anonimos venenosos, outras desafios para partilhas e houve uns anos entre 2006/ 2007 que senti que existiam mesmo blogs de culto, alguns que podiam ter sido livros, outros que os autores podiam ser escritores, outros que deixaram memorias e dos quais guardo excertos, comentarios, textos inteiros. Claro que tudo as vezes era exagerado, extrapolado e mal interpretado porque as emocoes transpareciam nas letras mas o tom nao, a imagem podia ser dissonante e o que se queria dizer perdia-se na pontuacao nem sempre cuidada. Estes blogs de culto eram nomes sonantes que publicavam coisas de valor literario, textos favulosos criativos com verdadeiro amor a lingua portuguesa!

Os blogs eram fantasticos, contudo acabaram por dar lugar a outras plataformas como o hi5, e depois facebook e as pessoas comecaram a partilhar os seus pensamentos doutra forma, relaccionando-se com as suas afinidades duma forma quica mais proxima. No entanto, a magia dos blogs desse tempo mantem-se no imaginario de quem a viveu, existia uma aura de misterio e tambem uma aura de perfeicao: quem estava do outro lado era fantastico e lindo, imaginava-se com criatividade ate porque as pessoas nao tinham ainda (!) o costume de colocar fotografias pessoais online e ninguem ia imaginar gente mais velha do que as letras e mais gorda do que as palavras!

Recordo-me que as vezes passava mais tempo a elaborar a apresentacao do post do que o texto em si, nao que houvesse desmerecimento do mesmo, mas a apresentacao era essencial para que a interpretacao fosse a idealizada! Cheguei a alterar a visualizacao do blog (template), aprendi html e a ajustar o inicio dos videos do Youtube (som, inicio, resolucao de cran) e dava-me gosto como um hobbie que larguei quando me comecou a tomar muito mais tempo do que o disponivel e a influenciar a minha vida de forma menos favoravel.

Ha muito tempo que nao releio algo que tenha escrito naquele tempo... quando o faco ou me espanto ou me envergonho. Umas vezes porque nao me lembro do que escrevi e acho brilhante o que leio, e outras porque acho infantil, ridiculo e imaturo o que escrevi. Faltava-me mundo, sapiencia para reflectir e experiencia para lidar com o negativo, faltava-me idade, viver, faltava-me sair de mim e entender melhor o outro.

Ainda agora a escrever o Year Compass refleti que devo ouvir mais do que falar, ainda nada perdido ainda tanto para aprender. Nos somos constante evolucao, se a procurarmos ha sempre algo mais a descobrir, a afinar!

Talvez a magia de ha dez anos atras nao volte aos blogs, porque agora o mundo e' mais rapido e a interacao tecnologica mais instantanea, mas os blogs ainda sao importantes, ainda se partilha muita coisa interessante e ainda se escreve muito bem por aqui. Ainda e' possivel surpreender, debater um assunto acaloradamente ou partilhar um poema apenas porque sim.

O ano que vem pode ser uma aventura!

Entretanto...

Dezembro 16, 2018

Estou para aqui a ler um livro de um autor que nao que o conheca mas conhecendo do tanto que o leio.

Lembro-me de ti, do sabor dos morangos e da tarde que passamos, sorriamos a  dancar que e' sempre diferente de dancar a sorrir. Dizias-me coisas assim e fazias-me pensar!

Ai!Tinha tantas saudades, que quase uma dor!

Onde estaria? Apetecia-me ligar-lhe falar de Julio Iglesias, da propria da Iglesia que descobrira, branca de amarelo debruada, de escadas convidativas e uma procissao memoravel que passava anual.  Sentava-me nas escadas quietas, de manha, ouvia no telefone um cambiar de musicas que eram tao ecleticas que me recuso a por-las aqui.

Que teria sido de nos se ha dez anos quase mais, tivessemos dado outros passos? Ele disfarcava sempre com a cultura infindavel que tinha, contando historias, desfilando sabedoria e filosofias, argumentavam os dois e ele ria-se a dizer 'nao pensas'!

No entanto ele revelava-se quando tocava a viola, o som invadia a calma e as palavras desfilavam subtis num canto dum olhar. Em mim sempre a verdade se revelou pelos ombros, gestos irreflexos, pequenos e que me assustavam nao fosse ele reparar como quando me perguntou se eu tinha frio... e eu disse que sim, sabia la que responder, e ele foi-me buscar uma samarra a pesar-me nos ombros, ele a rir-se e a samarra a pesar no reflexo do meu ombro direito que se virava para ele, que o queria! que naoq ueria a samarra, que nao queria a roupa...

Isto da vida nao nos permitir realidades paralelas, de nao nos permitir ir viver ali um bocadinho, bem lhe dissera que as vezes as pessoas tinham de ser inteligentes e deixar os outros viverem uma experiencia, crescerem, deixarem a posse de lado. Vou-lhe ligar, isto em mensagem fica muito grande nao da, vou-lhe ligar e dizer que o quero, quero dancar com ele e comer morangos, uvas moscatel e beber um vinho tinto como ele sabe escolher, um vinho doce encorpado com a forca de uma tarde verao e a profundidade de um horizonte.

Quero ligar-lhe e dizer que gosto do jardim dele, das rosas e das hortensias, de como ele olha para o jasmim e eu sei que o lembra de mim porque qualquer perfume que eu use tem sempre jasmim porque me lembra o seu jardim. Quero ficar a namorar o por do sol, a brilhar nos oculos dele que ele poe para esconder a claridade que lhe invade o olhar de me ver rir. Quero telefonar-lhe e dizer tudo isto, dizer-lhe que nao ha forma de continuarmos a adiar, a vida vai passando, quero ficar a ouvir Sinatra, quero que ele me ensine todos os outros de que gosta como me trouxe aquela musica incrivel que eu confesso, nao tinha idade para conhecer. Aquela dos Beatles que chama os amores antigos, que fala de amor e de esperanca, de uma lealdade que fica para sempre em lacos eternos de afecto.

Quero ir com ele a Londres e Paris, a Grand Place e ao museu ver o Van Gogh, comer uma carbonara verdadeira e que ele me leve pela mao a descobrir a patria amada, quero ver pelos olhos dele o que o tempo ainda nao me trouxe e o que gosto e nao aprendi a gostar, descobrir outras cores ou tons e vou...vou, ligar-lhe.

 

 

Blue moon
You saw me standing alone
Without a dream in my heart
Without a love of my own

O ano que finda... Year Compass!

Dezembro 13, 2018

O ano esta a findar. As pessoas deviam refletir em vez de se escavacarem em compras para quem nao sabem amar ao longo de 365 dias. Talvez aquela pessoa prefira um bom almoco perto do mar do que um presente que nao achara nem eira nem beira! ou a outra pessoa precise de um bom livro, aquele, que ate e' caro ( que os livros em Portugal tem de ser caros nao va o povo educar-se!) 

Ha coisas tao boas para oferecer, nao tem de ser materiais! Tempo e' precioso!

Este ano reli 'O Segredo', acabei a ver o documentario da Netflix, revejo blogs de minimalismo, e chega-me as maos o Year Compass que e' qualquer coisa de extraordinario e aqui vos deixo em jeito de presente o link, no canto superior direito poem mudar a lingua, em ingles esta mais correto do que em portugues. A origem e' hungara, um pais de que pouco sei.

Pensei que fosse da Dinamarca o pais do hygge, a ideia e' gira, merece atencao, reflete-se pensa-se, ate se pode acrescentar perguntas. E no fim uma lista de desejos, nao se esquecam que o Universo nao le a palavra 'nao', por isso foquem-se em pedir o que querem e nao em escreve ro que nao querem!

Ainda a volta do Natal... 'a melhor do que uma mesa farta? luzes de natal amarelas, acolhedoras que podem ate nem piscar? doces de que todos gostam, sorrisos, conversas, musica e gente que nao andou em stress para comprar prendas de que nada servem ou nas quais empenharam dinheiro que nao tem!

Ainda a volta do minimalismo e afins... isto esta tudo ligado, descobrimos o que queremos, percebemos o que nos faz falta, e que o espaco fisico e mental e' importante! a lei da atracao esta interligada com o minimalismo e este com o year compass e este com bem estar e hygge.

O mais importante na vida e' ter saude e familia, ou a falta de familia directa, uma construida por nos, e saber que a vida e' curta e YOLO assim e' tirar sem piedade gente toxica da nossa vida, afastar o que naos nos faz falta mesmo que tenhamos cometido o erro de gastar dinheiro em comprar (ha quem precise ou deseje!), trazer para a nossa vida o essencial e entender o que realmente gostamos a fim de minimizar o erro de voltarmos a cometer as mesmas escolhas que nao nos serviram. Ler a Marie Kondo e reorganizar a vida tambem e' muito boa ideia, bem melhor do que andar em stress em shoppings!

Ha uns quase sete anos, conheci um blog maravilhoso, fartei-me de destralhar, contatei com o minimalismo pela primeira vez e foi uma libertacao mas ainda nao estava preparada para saber o que queria, para entender que tinha de saber o que gostava para nao voltar a consumir inutilmente, assim as coisas descarrilaram de novo! Nao voltei a ser tao consumista mas voltei a fazer erros, e assim a juntar coisas que ainda nem usei, e a ter coisas que realmente nao queria! 

E' muito facil juntar coisas de que nao precisamos, que naonos servem mas porque sao engracadas, baratas ou tem um forte poder de atracao nos conquistam e quando vamos a ver ja estamos com dificuldade a fechar gavetas! E se eu destralho, e se eu nao tenho arrecadacao (felizmente, o melhor que me aconteceu!) mas isto de pensar na altura que o impulso atraicoa a logica! na altura que as sinapses dao cabo da razao e os diabinhos todos se juntam numa mob a gritar compra compra e eu  ali ! Pelo que dizem o pior e' pegar no objeto, e' meio caminho andado para comprar, uma tecnica muito usada pelos vendedores, na rua por exemplo adoram dar-nos um papel para a mao a pessoa pega e depois para e tem de ouvir e depois devolver a porcaria do papel ou do objeto?

 

Va, pensem, agora que o ano finda. Imprimam o year compass, sentem-se convosco, num sitio acolhedor em que nao sejam interrompidos, o ideal e' fazer ao longo de alguns dias porque 'para ser grande se inteiro'!

 

year compass

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D