Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

InMyDefence

InMyDefence

30
Jan18

Rua

inmydefence

Foram precisas decadas para sentir a curiosidade de perceber quem era o nome da minha rua de infancia, nao se percebe muito bem porque so agora quis saber isso ou, se ate, me esqueci, de outrora, ter pesquisado quem tinha sido. Hoje tambem me deparei a pensar que eh estranho quando nao conhecemos os nossos pais. QUem foram e que sonhava? que sentiam porque se tornaram sos, porque achavam que a vida era so aquiloe nao se mexeram para mais? Nao sinto nada por eles, nem afecto, nem pena, nem saudade... nao podemos ter saudades do que nao vivemos, do que nao sentimos. Talvez nao consiga descobrir muito sobre eles. Ela pouco estudou, nao tinha muitas qualidades. Ele estudou, era inteligente, pensava, nao era um heroi! Trabalhou a par com familiares proximos e no entanto nao o conheci, vi-o estive com ele, provavelmente abracei-o, mas nunca tive ilusoes. Este facto de nao ter ilusoes sobre os pais talvez me transporte para esta realidade que vivo, o di! o hoje! e o amanha nao se paneia, mas eh preciso, eh preciso planear para conseguir, O sonho nao se concretiza se nao fizermos degraus para o alcancar. Falava o Saramago em 'memoria da dor', as vezes eh a memoria dos desafectos que me trazem resiliencia, as coias que aprendi e as pessoas que conheci, mil historias e memso nao me sentindo uma pessoa observadora, vejo agora que aprendi muito com tanta gente com quem lidei. Neste pas distante, sem acentos, como ves, nao me vejo triste, vejo que um dia vou chegar la ao inicio do que quis, ao sonho que me parecia quimera e que agora me aprece certo. Nao sei se mudarei de ideias, atencao! o hoje nao eh um espelho do amanha, o hoje como um dia li num livro eh apenas uma promessa, uma promessa que nos nao sabemos se vamos cumprir.

Quero ver dessa nova terra, sempre para mim, a marina, o por-do-sol, os barcos espelhados na agua. da minha janela uma arvore ou outra, uma brisa morna e um vinho tinto, o meu amigo de sempre, lembras-te? Tu sonhavas com uma pessoa que fosse tua amiga, que de ti gostasse quase em silencio, sorrindo. Levo-te a passear, percorreremos as ruas, outros cheiros, atravasseremos a ponte e o no barco procuraremos de novo as alforrecas. Vou tentar fotografar-te nos mesmos sitios, como naquele dia que a fanfarra relembrava festejos e era dia dos teus anos. E na rua dos sonhos, na praca bonita e aqiu distante de novo digo que o dia chegara e que vou escrevendo para que agora que aprendo as nuances duma lingua nova nao me esqueca da minha memso sem acentos e cedilhas e que dpois possa entender outra lingua no encanto de aprender, no encanto de saber detalhes de coisas que estiveram sempre ali. Existem detalhes na nossa lingua que nos apercebemos quando aprendemos outras, mas agora nao tenho mais tempo e qualquer dia falo outra vez sobre isto contigo, ou melhor, escrevo. E hoje eh um bom dia para comecar! porque nao a 30? nao temos todos os dias do ano mas temos o ano todo, todos os dias.

nao te esquecas.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D